segunda-feira, 13 de abril de 2009

Verdade...

A minha verdade é melhor que a tua.

"dizer que o que é, não é, e o que não é, é, é falso e dizer que o que é, é e o que não é não é, é verdade"
Aristóteles, na sua definição de verdade.

Confuso? só à primeira vista...

Se conheces a verdade toca a campainha.
A campainha soa a falso.


Aceitamos que uma proposição seja verdadeira se for coerente com um conjunto de proposições consideradas verdadeiras, embora uma proposição que seja falsa mas coerente com outro conjunto de preposições verdadeiras possa igualmente ser considerada verdadeira.

Por isso, num plano cognitivo, a coerência em si não basta, mas se possuir para além disso um critério de utilidade ou de vantagem, então será mais um tijolo que não hesitamos adicionar no sistema individual de verdades aceites que construímos com essa argamassa feita de coerência e de utilidade.

Precisamos de construir a parede com que enfrentamos os outros, e sobreviver no dia a dia, essa parede tem de parecer sólida e coerente com aquilo em que previamente acreditamos, não podemos questionar os tijolos que estão na base da nossa parede, tal poderia desmoronar o conjunto, para além de que, colocar tudo permanentemente em causa constituiu um esforço desnecessário e dispendioso dos nossos recursos (tempo e energia).

A interpretação da realidade, filtrada sensorial e culturalmente, ajuda a estabelecer a verdade de cada um, não sendo por isso um conceito universal ou uma propriedade intrínseca, é apenas uma norma interna cujo objectivo é evitar a ilusão metafísica ou o caos conceptual.

Se a busca duma definição da Verdade tem sido frustrante é porventura porque não há nada a procurar.

12 comentários:

Madame Belle de Jour disse...

Eu sou uma tipa vulgar, não tenho mente para filosofar (até rimou) desculpa a minha insensibilidade às questões que colocas, mas sou mais de números e €€€€€€€€€€€€€ :) mas de qq forma, deixa q te diga, que toda a gente se julga dona da verdade, a sua verdade!

Iris R. Costa Barroso disse...

A verdade é assim uma espécie de moda pessoal que vai mudando com o tempo, com a disposição e com as estações.

Parece-me bem. Gosto desta verdade, pelo menos, até encontrar uma outra explicação que me pareça tão verdadeira quanto esta.

Boa noite!

Vulgar disse...

Ma Belle,
Insensivel? não me pareces. De qualquer forma tudo tem o seu tempo próprio.

Vulgar disse...

Iris,
Acho que cada uma constroi a sua, mas depois tem relutância em rever a sua posição.
Bjs

FacAfiada disse...

A verdade a cada um pertence, mesmo que nunca se venha a travar conhecimento com ela... às vezes é duro conhecer a verdade!

alfabeta disse...

Ufa, fiquei mais descansada, senão há nada a procurar , escuso de cansar os meus neurónios.
:)

Vulgar disse...

FacaAfiada,
Concordo contigo, pode ser muito dura...

Vulgar disse...

alfabeta
é um descanso não é? saber aceitar as coisas como elas são...

Desejos Aliciantes disse...

Verdade, embora ela possa parecer única, acredito que cada um tem a sua...
E é claro que ela é uma variante, pois mudamos de opinião, somos mutáveis e portanto ela também.
O que importa é sermos fieis a nossa verdade, nosso ponto de vista...
como disse Platão "Não existe verddade absoluta".
Pois é,
o seu blog é aliciante, me conquistou
Voltarei sempre.
Que vc tenha um dia iluminado e feliz

Vulgar disse...

Desejos,
é esse o espirito da coisa... sermos sempre fieis à nossa verdade, apesar de, e por causa de.
Mi casa es tu casa, volta sempre
Bjs

Bem vinda e volte

Hellena disse...

Adorei seu blog.
Vou te visitar sempre que puder ...

Te deixo um mimo sobre as minhas verdades...

Se um dia quiser entender meu silêncio, pense que ele é a arma mais mortal que existe, pois nele há todos os meus segredos, todas as minhas confissões, todos os meus desejos e, todas as minhas verdades ...



Bjsssssss
Hellena

Vulgar disse...

Hellena,
o silêncio é uma caixa de Pandorra...
espero que deixes mais mimos destes por aqui.

Um beijo