sexta-feira, 31 de julho de 2009

chamo-te imprudência

ouço-te entre dois cantos,
do grilo que me delicia
e do galo que me desperta
no resto escuto silêncio.

vejo-te entre dois mundos,
o imaginário que me extasia
e o real que me acerta
no resto observo sombra.

sinto-te entre dois toques,
o leve que me arrepia
e o brusco que me aperta
no resto abraço ausência.

cheiro-te entre dois aromas,
o puro que me inebria
e o sintético que me alerta
no resto inspiro solidão.

apesar da sombra do silêncio
e da solidão da ausência,
sei que te amo imprudência,
porque sou eu, porque és tu.

8 comentários:

A Silenciosa disse...

Lindissimo

Obrigado por partilhares

Felina disse...

Excelente!!!
gostei principalmente:

"sinto-te entre dois toques,
o leve que me arrepia
e o brusco que me aperta
no resto abraço ausência."

Iris R. Costa Barroso disse...

E apenas porque somos...

pecado original disse...

Falar de nós...

Vulgar disse...

Silenciosa,
é dos teus olhos...
um beijo.

Vulgar disse...

Felina,
...exelência rima com ausência.
Um beijo

Vulgar disse...

Iris,
porque somos todos da mesma matéria
Um beijo

Vulgar disse...

Pecado,
há algo mais importante?
um beijo