quarta-feira, 6 de maio de 2009

Factor x ou y

“O pedido de igualdade de reconhecimento implica que, quando despojamos alguém de todas as suas características contingentes e acidentais, resta uma qualidade humana essencial merecedora de um certo respeito – digamos o factor X. A pele, a cor, a aparência, a classe social e a saúde, o género, o pano de fundo cultural e até os talentos naturais de cada um, tudo isso são acidentes de nascença relegados ao nível de características não essenciais. (...) Mas, no domínio público, somos chamados a respeitar as pessoas de modo igual, com base no factor X que elas possuem”
Francis Fukuyama

Dei com esta reflexão, que me levou a outra, se calhar por sermos idealmente todos iguais no plano dos direitos, procuramos um contraponto, um factor de desigualdade Y que nos eleve à categoria de únicos enquanto indivíduos, ou nos saliente uma diferença ou originalidade, um modo de vida ou uma vantagem qualquer.

Embora fosse uma criança no período pós Abril de 74, recordo que o espírito da revolução pairou durante algum tempo e nessa altura (efémera é certo) X era muito maior que Y.

12 comentários:

pecado original disse...

Qual é o nosso verdadeiro factor X?

korrosiva disse...

Não acredito na igualdade, é uma utopia!
Se há forma de podermos ser iguais é na diferença!


bjs

Isabbelle disse...

Belo texto...
Que possamos contemplar a nossas diferenças...
Beijos.
isa.

Anónimo disse...

eh pá, sempre em pé, tás em grande!!

isto é só gajas!!!! :D


beijo
sim.sim.oh-sim ;)

Desejos Aliciantes disse...

Iguais na diferença, concordo com a Korrosiva...
Mas vc tah falando do fator X que se une ao Y quando somos concebidos?
Se for eu concordo...
Boa noite pra vc
Beijos aliciantes

Desejos Aliciantes disse...

Iguais na diferença, concordo com a Korrosiva...
Mas vc tah falando do fator X que se une ao Y quando somos concebidos?
Se for eu concordo...
Boa noite pra vc
Beijos aliciantes

Vulgar disse...

pecado original,
Aquele que Fukuyama pretende dar, é algo entre a dupla hélice e o património genético da humanidade...penso, o caldo da igualdade onde todos vamos buscar o nosso ser.
bjs

Korosiva,
Sim... a desigualdade provocadas pelas “características contingentes e acidentais...
bjs

Isabelle,
E são as diferenças que acabam por fazer... a diferença !
bjs

Sim.sim.oh-sim,
... vai uma sandocha...?!?
vê lá se apareces mais...
bjs

Desejos Aliciantes,
Não propriamente, neste caso o X seria o património genetico e o Y o cultural ou circunstancial.
bjs

Felina disse...

Isto é que vai uma açorda... não precisamos de ser iguais para termos direitos, qualquer ser vivo merece respeito...

alfabeta disse...

O factor x é sempre maior! lol

Até os homens são xy e as mulheres xx.
Estamos sempre em maioria!

não ligues, estou bem humorada hoje.
;)

Vulgar disse...

Felina,
concordo. os direitos são universais e o respeito uma caracteristica de pessoas de bom senso.
e claro que somos diferentes, mas o sentido que Fukuama dá ao factor X, é minimo demominador comum a todos os seres humanos.

Anónimo disse...

ahahaha!!!
(oh se vai...) :D


bjs
sim.sim.oh-sim

Vulgar disse...

alfabeta,
humor precisa-se, e contagia...
pelo menos na cabeça dos homens estão sempre em maioria, ou melhor em maioria absoluta, tavez mesmo não sobre mesmo nada para outras coisas...
bjs


sim.sim.oh-sim
com ou sem mantequilla?
bjs

e bom fim-de-semana